Compartilhar
Informação da revista
Vol. 84. Núm. 3.Maio - Junho 2018
Páginas 263-400
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
1008
Vol. 84. Núm. 3.Maio - Junho 2018
Páginas 263-400
Editorial
DOI: 10.1016/j.bjorlp.2018.02.007
Open Access
Precision medicine
Medicina de precisão
Visitas
1008
Marcio Nakanishi
Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (FM‐UnB), Departamento de Cirurgia ‐ Programa de Pós‐Graduação em Ciências Médicas, Brasília, DF, Brasil
Este item recebeu
1008
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

A medicina de precisão é um tema crescente de discussão na ultima década. Só nos últimos cinco anos foram publicados mais de 17.000 artigos sobre o assunto. Em 2015, o National Institute of Health dos EUA lançou a Iniciativa da Medicina de Precisão, que a define como “uma abordagem emergente para tratamento e prevenção de doenças que leva em consideração a variabilidade individual em genes, meio ambiente e estilo de vida para cada pessoa”.1

O conceito da medicina de precisão não é novo. Diagnóstico preciso e tratamento específico sempre foram alvos dos sistemas de saúde. Por exemplo, a tipagem sanguínea ABO Rh, usada desde 1940,2 possibilita identificar a variabilidade individual e como consequência uma transfusão adequada ao grupo sanguíneo específico. De maneira geral, a medicina de precisão está do lado oposto ao conceito de one size fits all, em que um tipo único de tratamento da doença é desenvolvido para um paciente mediano, não se levam em consideração as diferenças individuais.1,3

O termo medicina personalizada é usado de forma intercambiável com o termo medicina de precisão. Todavia, sobre essa taxonomia específica o National Research Council explica: “Medicina de precisão refere‐se à adaptação do tratamento médico às características individuais de cada paciente. Não significa, literalmente, a criação de drogas ou dispositivos médicos únicos para um paciente, mas sim a capacidade de classificar os indivíduos em subpopulações que diferem em sua susceptibilidade a uma determinada doença, na biologia e/ou prognóstico dessas doenças ou em sua resposta a um tratamento específico. As intervenções preventivas ou terapêuticas podem então se concentrar naqueles que se beneficiarão, poupam‐se custos e efeitos colaterais para aqueles que não o farão. Embora o termo “medicina personalizada” também seja usado para transmitir esse significado, esse termo às vezes é mal interpretado como implicando que tratamentos únicos podem ser projetados para cada indivíduo. Por essa razão, o comitê considera que o termo medicina de precisão é preferível a medicina personalizada.4

A medicina de precisão avança em curva paralela à evolução dos instrumentos de mensuração biológico‐moleculares e da informática analítica. Enquanto a biologia molecular quantifica e caracteriza a variabilidade dos genes, das proteínas e dos metabólitos; a análise desses dados volumosos e complexos, no campo denominado big data analytics, busca a predição do comportamento das doenças e indivíduos. Gera, com isso, a possibilidade de intervenções preventivas e “personalização” do tratamento.

A fibrose cística, doença genética que modifica o receptor da membrana celular que controla o transporte iônico no suor, suco digestivo e muco, inclusive o nasal e pulmonar, afeta principalmente a pele e os sistemas digestivo e respiratório. Seu diagnóstico e tratamento são um exemplo no campo da medicina de precisão. A causa ocorre na mutação do cromossomo 75 e drogas como o Ivacaftor e o Lumacaftor são específicas para cada tipo de mutação. O diagnóstico genético específico permite a escolha precisa da droga e, consequentemente, melhores resultados terapêuticos.6

O uso de algoritmos matemáticos e sistemas de inteligência artificial, que leve em conta a variabilidade genética e fenotípica individual associada ao meio ambiente e estilo de vida, abre uma perspectiva para aplicação em escala populacional de um diagnóstico de precisão. A predição acurada do diagnóstico, bem como os fatores causais envolvidos, permitirá desenhar medidas preventivas e tratamentos específicos para cada tipo de paciente, de maneira precisa e personalizada.

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesse.

Referências
[2]
A.D. Farr
Blood group serology – the first four decades (1900‐1939)
Med Hist., 23 (1979), pp. 215-226
[3]
F.S. Collins, H. Varmus
A new initiative on precision medicine
N Engl J Med., 372 (2015), pp. 793-795 http://dx.doi.org/10.1056/NEJMp1500523
[4]
National Research Council (US) Committee on A Framework for Developing a New Taxonomy of Disease
Toward Precision Medicine: Building a Knowledge Network for Biomedical Research and a New Taxonomy of Disease
National Academies Press (US), (2011)
[5]
J.R. Riordan, J.M. Rommens, B. Kerem, N. Alon, R. Rozmahel, Z. Grzelczak
Identification of the cystic fibrosis gene: cloning and characterization of complementary DNA
Science., 245 (1989), pp. 1066-1073
[6]
S.L. Martiniano, S.D. Sagel, E.T. Zemanick
Cystic fibrosis: a model system for precision medicine
Curr Opin Pediatr., 28 (2016), pp. 312-317 http://dx.doi.org/10.1097/MOP.0000000000000351

Como citar este artigo: Nakanishi M. Precision medicine. Braz J Otorhinolaryngol. 2018;84:263–64.

Copyright © 2018. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.