Compartilhar
Informação da revista
Vol. 87. Núm. 1.
Páginas 122 (Janeiro - Fevereiro 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 87. Núm. 1.
Páginas 122 (Janeiro - Fevereiro 2021)
Carta ao editor
DOI: 10.1016/j.bjorlp.2020.10.002
Open Access
Muitas condições podem afetar o volume plaquetário médio e a relação neutrófilos/linfócitos
Visitas
...
Cihan Bedel
Autor para correspondência
cihanbedel@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Mustafa Korkut
Health Science University, Antalya Training and Research Hospital, Department of Emergency Medicine, Antalya, Turquia
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo
Prezado Editor,

Lemos com grande interesse o artigo “Volume plaquetário médio e relação neutrófilos/linfócitos em pacientes com zumbido: estudo de caso‐controle”, de Yıldız et al.1 O estudo é interessante; entretanto, gostaríamos de fazer alguns comentários.

A técnica usada para medir o volume plaquetário médio (VPM) não é especificada nesse estudo. Sabe‐se que variáveis como o uso de anticoagulante e o tempo entre a coleta de sangue e a medida afetam significativamente a mensuração do VPM.2 Muitos fatores como idade, sexo, diabetes, obesidade, hipertensão, síndrome metabólica e até mesmo o uso de alguns anti‐hipertensivos afetam o VPM.3 A existência dessas condições certamente confundiria os resultados e deveriam ter sido excluídas da população do estudo.

A relação neutrófilos/linfócitos (RNL) tem sido investigada na patogênese e no prognóstico de muitas doenças e muitos estudos na literatura encontraram resultados valiosos. Estudos têm mostrado que muitos fatores, como hipertensão, diabetes mellitus, síndrome metabólica, síndromes coronárias agudas, testes anormais de função tireoidiana, disfunção renal ou hepática, malignidade conhecida, infecção sistêmica e uso de drogas que podem afetar os parâmetros hematológicos afetam o valor da RNL.4,5 Por essas razões, teria sido melhor se os autores tivessem mencionado esses fatores.

Consequentemente, a RNL e o VPM podem ser afetados por muitos fatores; o uso clínico de rotina desses parâmetros pode ainda não ser considerado apropriado.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
S. Yildiz, H. Karaca, S.Z. Toros.
Mean platelet volume and neutrophil to lymphocyte ratio in patients with tinnitus: a case‐control study.
Braz J Otorhinolaryngol., (2020),
[2]
P. Noris, F. Melazzini, C.L. Balduini.
New roles for mean platelet volume measurement in the clinical practice?.
Platelets., 27 (2016), pp. 607-612
[3]
C. Beyan, E. Beyan.
Were the measurements standardized sufficiently in published studies about mean platelet volume?.
Blood Coagul Fibrinolysis., 28 (2017), pp. 234-236
[4]
C. Bedel, F. Selvi.
Association of platelet to lymphocyte and neutrophil to lymphocyte ratios with in‐hospital mortality in patients with type A acute aortic dissection.
Braz J Cardiovasc Surg., 34 (2020), pp. 694-698
[5]
T. Angkananard, T. Anothaisintawee, M. McEvoy, J. Attia, A. Thakkinstian.
Neutrophil Lymphocyte Ratio and Cardiovascular Disease Risk: A Systematic Review and Meta‐Analysis.
Biomed Res Int., 2018 (2018), pp. 2703518

Como citar este artigo: Bedel C, Korkut M. Many conditions may affect mean platelet volume and neutrophil to lymphocyte ratio. Braz J Otorhinolaryngol. 2021;87:122.

Copyright © 2020. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas