Compartilhar
Publique nesta revista
Informação da revista
Vol. 84. Núm. 1.Janeiro - Fevereiro 2018Páginas 1-132
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
1705
Vol. 84. Núm. 1.Janeiro - Fevereiro 2018Páginas 1-132
Artigo especial
DOI: 10.1016/j.bjorlp.2017.10.016
IV Brazilian Consensus on Rhinitis – an update on allergic rhinitis
IV Consenso Brasileiro sobre Rinite – atualização em rinite alérgica
Visitas
1705
Eulalia Sakanoa,b,
Autor para correspondência
eulalia.s@terra.com.br

Autor para correspondência.
, Emanuel S.C. Sarinhoc,d, Alvaro A. Cruze,f, Antonio C. Pastorinof,g, Edwin Tamashirob,h, Fábio Kuschnird,i, Fábio F.M. Castrof,j, Fabrizio R. Romanob,k, Gustavo F. Wandalsenc,d, Herberto J. Chong‐Netod,l, João F. de Mello Jr.f,k, Luciana R. Silvad,m, Maria Cândida Rizzof,n, Mônica A.M. Miyakeb,o, Nelson A. Rosário Filhof,l, Norma de Paula M. Rubinif,p, Olavo Mionb,k, Paulo A. Camargosd,q, Renato Roithmannb,r, Ricardo N. Godinhod,s, Shirley Shizue N. Pignatarib,t, Tania Sihd,u, Wilma T. Anselmo‐Limab,h, Dirceu Soléf,v
a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Faculdade de Ciências Médicas, Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, Campinas, SP, Brasil
b Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Crânio‐Facial, São Paulo, SP, Brasil
c Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Faculdade de Medicina, Departamento de Pediatria, Recife, PE, Brasil
d Sociedade Brasileira de Pediatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
e Universidade Federal da Bahia (UFBA), Faculdade de Medicina, Departamento de Pediatria – Instituto da Criança, Salvador, BA, Brasil
f Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, São Paulo, SP, Brasil
g Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina, Departamento de Pediatria – Instituto da Criança, São Paulo, SP, Brasil
h Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Ribeirão Preto, SP, Brasil
i Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Medicina, Departamento de Pediatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
j Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina – Divisão de Imunologia Clínica e Alergia, São Paulo, SP, Brasil
k Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina, Divisão de Otorrinolaringologia, São Paulo, SP, Brasil
l Universidade Federal do Paraná (UFPR), Departamento de Pediatria, Curitiba, PR, Brasil
m Universidade Federal da Bahia (UFBA), Faculdade de Medicina, Departamento de Pediatria, Salvador, BA, Brasil
n Universidade Cidade de São Paulo (UNICID), Faculdade de Medicina, São Paulo, SP, Brasil
o Hospital Sirio‐Libanês, Núcleo de Otorrinolaringologia, São Paulo, SP, Brasil
p Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Departamento de Medicina, Divisão de Alergia e Imunologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
q Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Departamento de Pediatria, Divisão de Pneumologia, Belo Horizonte, MG, Brasil
r Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Departamento de Otorrinolaringologia, Canoas, RS, Brasil
s Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC‐MG), Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Belo Horizonte, MG, Brasil
t Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Escola Paulista de Medicina, Departamento de Otorrinolaringologia, São Paulo, SP, Brasil
u Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho, São Paulo, SP, Brasil
v Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Escola Paulista de Medicina, Departamento de Pediatria – Divisão de Alergia, Imunologia Clínica e Reumatologia, São Paulo, SP, Brasil
Este item recebeu
1705
Visitas
Informação do artigo
Estatísticas
Figuras (1)
Tabelas (2)
Tabela 1. Fatores desencadeantes de alergias respiratórias16
Tabela 2. Medidas de controle do ambiente16
Mostrar maisMostrar menos
Abstract
Introduction

The guidelines on allergic rhinitis aim to update knowledge about the disease and care for affected patients. The initiative called “Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma”, initially published in 2001 and updated in 2008 and 2010, has been very successful in disseminating information and evidence, as well as providing a classification of severity and proposing a systemized treatment protocol. In order to include the participation of other medical professionals in the treatment of allergic rhinitis, it is important to develop algorithms that accurately indicate what should and can be done regionally.

Objective

To update the III Brazilian Consensus on Rhinitis – 2012, with the creation of an algorithm for allergic rhinitis management.

Methods

We invited 24 experts nominated by the Brazilian Association of Allergy and Immunology, Brazilian Association of Otorhinolaryngology and Head and Neck Surgery and Brazilian Society of Pediatrics to update the 2012 document.

Results

The update of the last Brazilian Consensus on Rhinitis incorporated and adapted the relevant information published in all “Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma” Initiative documents to the Brazilian scenario, bringing new concepts such as local allergic rhinitis, new drugs and treatment evaluation methods.

Conclusion

A flowchart for allergic rhinitis treatment has been proposed.

Keywords:
Consensus
Rhinitis
Allergic rhinitis
Resumo
Introdução

As diretrizes sobre rinite alergica visam atualizar os conhecimentos sobre a doença e os cuidados para com esses pacientes. A iniciativa designada “Rinite Alergica e seu Impacto na Asma”, cujo relatorio inicial foi publicado em 2001 e atualizada em 2008 e 2010, tem sido muito bem sucedida na disseminaçao de informaçoes e evidencias, bem como na formulaçao da classificaçao de gravidade e proposta de sistematizaçao do tratamento. Entretanto, visando a participaçao de outros profissionais medicos no atendimento da rinite alergica, e importante o desenvolvimento de algoritmos que indiquem com precisao o que deve e pode ser feito regionalmente.

Objetivo

Atualizar o III Consenso Brasileiro sobre Rinites-2012, com elaboraçao de algoritmo para conduta da rinite alergica.

Método

Foram convidados 24 especialistas indicados pelas Associaçao Brasileira de Alergia e Imunologia, Associaçao Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico-Facial e Sociedade Brasileira de Pediatria para atualizaçao do documento de 2012.

Resultados

A atualizaçao do ultimo Consenso Brasileiro sobre Rinites, incorporou e adaptou para a realidade brasileira as informaçoes relevantes publicadas em todos os documentos da Iniciativa “Rinite Alergica e seu Impacto na Asma”, trazendo novos conceitos como a rinite alergica local, novos medicamentos e metodos de avaliaçao de tratamento.

Conclusão

Proposto um fluxograma de tratamento para a rinite alergica.

Palavras‐chave:
Consenso
Rinite
Rinite alérgica
Texto Completo
Importância das diretrizes para o manejo da rinite alérgica

Diretrizes para o tratamento da rinite alérgica (RA) desenvolvidas nos últimos 20 anos qualificaram melhor o cuidado com os pacientes. Um workshop de experts feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em dezembro de 1999 deu origem a uma iniciativa designada “Rinite Alérgica e seu Impacto na Asma” (ARIA), cujo relatório inicial baseado em evidências teve quase 3.000 referências e foi publicado em 2001.1 Uma atualização do relatório ARIA foi publicada em 2008, baseada em novas evidências.2 Esse novo relatório resultou de um processo contínuo de revisão da literatura sobre aspectos anteriormente não cobertos, como, por exemplo, medicina complementar e alternativa, esportes, atualização sobre as relações entre rinite e asma, prevenção e tratamento.

No entanto, é necessária informação transparente sobre as diretrizes para facilitar a sua compreensão e aceitação. O Guia ARIA foi a primeira diretriz para doença respiratória crônica a adotar a classificação do Sistema de Graduação da Recomendação, da Avaliação, do Desenvolvimento e da Avaliação (Grade), um método avançado que tem sido adotado pela OMS. Uma nova revisão ARIA foi publicada em 2010,3 dez anos após a publicação do primeiro relatório do workshop ARIA‐OMS. A iniciativa ARIA tem sido muito bem‐sucedida na disseminação de informações e evidências, bem como na formulação de classificação de gravidade e proposta de sistematização do tratamento. Mas isso não é bastante para orientar novas práticas, especialmente quando elas demandam a participação de médicos de família, pediatras e outros profissionais de saúde. É preciso desenvolver algoritmos que indiquem com precisão o que deve e pode ser feito diante de um caso específico em sua região. Uma publicação recente de experts da iniciativa ARIA propõe um algoritmo de tomada de decisão na prática clínica para o controle da RA em adolescentes e adultos.4,5

A atualização do Consenso Brasileiro sobre Rinites – 2017 incorpora e adapta para a realidade brasileira as informações relevantes publicadas em todos os documentos da iniciativa ARIA, tal como foi feito nas versões anteriores do documento brasileiro,6,7 elaborado sempre por representantes da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico‐Facial e da Sociedade Brasileira de Pediatria.

As principais atualizações feitas no documento base de 20127 foram assim estabelecidas.

Definição de rinite

Rinite é a inflamação e/ou disfunção da mucosa de revestimento nasal e é caracterizada por alguns dos sintomas nasais: obstrução nasal, rinorreia anterior e posterior, espirros, prurido nasal e hiposmia. Geralmente ocorrem durante dois ou mais dias consecutivos por mais de uma hora na maioria dos dias.8

Classificação das rinites

Depende dos critérios empregados (dados clínicos, frequência e intensidade dos sintomas, citologia nasal, fatores etiológicos, fenótipos [clínica, padrão temporal, gravidade, duração, controle, resposta aos tratamentos e presença de comorbidades]).9

Em documento recente, a Academia Europeia de Alergia e Imunologia propôs a classificação das rinites crônicas com base no principal agente etiológico. É constituída por quatro subgrupos, a saber: 1) rinites infecciosas (agudas, autolimitadas, causadas por vírus e menos frequentemente por bactérias); 2) rinite alérgica (forma mais comum, induzida por inalação de alérgeno em indivíduos sensibilizados); 3) rinite não alérgica não infecciosa (grupo heterogêneo, pacientes sem sinais de infecção e sem sinais sistêmicos de inflamação alérgica. Exemplos: rinite induzida por drogas, rinite do idoso, rinite hormonal, rinite da gestação, rinite ocupacional não alérgica, rinite gustatória e rinite idiopática); e 4) rinite mista (expressão significante em pacientes com rinite crônica, com mais de um agente etiológico, conhecido ou não).10

Outro conceito recente é o do endotipo, que visa a identificar os mecanismos subjacentes envolvidos na gênese da doença e, assim, permitir tratamento direcionado e mais preciso para cada paciente.9,10 Esses endotipos são complexos e secundários a processos celulares (eosinófilos, neutrófilos e mediadores inflamatórios deles decorrentes), moleculares (IgE sérica total e específica, citocinas e quimiocinas inflamatórias), além de danos estruturais da mucosa de revestimento nasal.9,10 Assim, identificam‐se quatro endotipos de rinite: a) com resposta imunológica tipo 2; b) com resposta imunológica tipo 1; c) rinite neurogênica; d) disfunção epitelial (9). Espera‐se que a rinite mais bem caracterizada receba um tratamento individualizado, mais preciso e com maiores chances de êxito.

Rinite alérgica

A classificação da guia ARIA, baseada em frequência e intensidade dos sintomas, foi mantida por sua grande aceitação no meio médico brasileiro.1

Prevalência

À semelhança do observado em várias partes do mundo, o International Study of Asthma and Allergic Diseases in Childhood feito em várias localidades do Brasil mostrou, entre crianças e adolescentes, aumento da prevalência de sintomas nasais no último ano que atingiu 37,2% (entre 26,3% e 49,9%) e 16,2% (entre 15,4% e 27,9%) para rinoconjuntivite alérgica.11

Quadro clínico

O quadro clínico continua a ser importante para o diagnóstico da rinite alérgica. Além dos sintomas característicos (espirros, prurido, rinorreia e obstrução nasal), a obtenção de histórico alérgico pessoal e familiar é fundamental, assim como a identificação dos fatores desencadeantes.12

Fatores desencadeantes

Estudos nacionais reforçam a participação dos ácaros domésticos como os principais agentes etiológicos da rinite alérgica, seguidos por alérgenos de barata, epitélio de animais domésticos e mais raramente fungos.13,14 Na Região Sul do país os pólens têm importância na sensibilização de adultos e crianças.15 Reforça‐se o papel dos irritantes da mucosa com especial ênfase aos poluentes e irritantes (tabela 1).16

Tabela 1.

Fatores desencadeantes de alergias respiratórias16

Aeroalérgenos
Ácaros pó domiciliar  Dermatophagoides pteronyssinus, Dermatophagoides farinae, Blomia tropicalis 
Baratas  Blatella germanica, Periplaneta americana 
Fungos  Aspergillus sp, Cladosporium sp, Alternaria sp, Penicillium notatum
Animais de pelo  gato, cão, coelho, cavalo e roedores (hamster, guinea pig, furão doméstico, camundongos) 
Pólens:  gramíneas – Lolium multiflorum (azevém), Phleum pratense 
Ocupacionais  trigo, poeira de madeira, detergentes, látex. 
Poluentes
Intradomiciliares  fumaça de cigarro, material particulado (PM 10) e dióxido de nitrogênio (NO2) derivados da combustão do gás de cozinha ou fogão a lenha. 
Extradomiciliares  ozônio, NOx e dióxido de enxofre. 
Irritantes  Odores fortes, perfumes, ar condicionado, produtos de limpeza 

Os alimentos raramente desencadeiam sintomas respiratórios de modo isolado. Na maioria das vezes vêm como manifestações associadas a quadros mais graves como a anafilaxia.17

Fisiopatogenia

Mecanismos celulares e moleculares participantes da reação alérgica e responsáveis pela inflamação alérgica são apresentados de modo a facilitar o entendimento dos diferentes endotipos de rinite propostos.9

Recursos diagnósticos

De acordo com a finalidade de avaliação eles podem ser divididos em: a) diagnóstico etiológico, b) avaliação da cavidade nasal, c) avaliação por imagem e d) avaliação complementar.

a) Diagnóstico etiológico

Os exames subsidiários mais importantes no diagnóstico etiológico da rinite alérgica, tanto pela especificidade como pela sensibilidade, são os skin prick test (SPT) e a avaliação dos níveis séricos de IgE alergenoespecífica. O diagnóstico de alergia e a identificação dos alérgenos mais relevantes em cada caso são importantes pela perspectiva de intervenções preventivas dirigidas, como o controle ambiental, pelas opções de tratamento farmacológico e, finalmente, pela opção da imunoterapia específica com alérgenos.

Os SPT com aeroalérgenos são os recursos mais usados no diagnóstico da alergia respiratória e evidenciam reações alérgicas mediadas por IgE. Devem ser executados preferencialmente com alérgenos padronizados, escolhidos de acordo com a relevância clínica pela história, idade do paciente, profissão, pelo ambiente, pela distribuição regional de alérgenos e sob a supervisão direta de médico devidamente capacitado para se evitarem os falso‐positivos e falso‐negativos e as potenciais reações sistêmicas.18 A intensidade da reação geralmente é mais reduzida nos extremos da vida e a presença de eczema extenso ou dermografismo, o uso de anti‐histamínicos orais e o uso de corticosteroides tópicos por mais de sete dias são contraindicações do teste.18

Embora níveis elevados de IgE sérica total sejam admitidos por alguns autores como sinônimo de doença alérgica, podem ser detectados também em diferentes doenças, como infecção pelo HIV, aspergilose pulmonar alérgica, sinusite fúngica alérgica, linfomas, tuberculose, parasitoses com ciclo pulmonar, entre outras. Assim, o seu valor no diagnóstico de alergias é limitado. À semelhança dos SPT, os níveis de IgE total sérica são baixos nos primeiros anos de vida.19

Por outro lado, a presença de IgE sérica específica a um determinado alérgeno é forte indicador de sensibilização alérgica, mas não deve ser valorizada na ausência de sintomas alérgicos.20,21 Tem sensibilidade e especificidade similares aos do SPT, é mais onerosa, requer punção venosa, laboratório especializado e maior tempo para obtenção do resultado. Entretanto, não sofre a interferência de medicações e das condições da pele, é isenta de risco de reações alérgicas graves, permite a avaliação de número maior de alérgenos, tem melhor reprodutibilidade e não tem interferência da técnica na feitura do exame.20

Mais recentemente, a aquisição do Component Resolved Diagnostic (CRD) permitiu a determinação de IgE específica a múltiplos alérgenos (recombinantes ou não) com o emprego da técnica de microarray (ex: Immuno Solid Phase Allergen (ISAC) e possibilitou maior precisão diagnóstica e a possibilidade de discriminar cossensibilização de sensibilização cruzada por diferentes alérgenos que apresentam a mesma proteína em sua composição.21,22

No Brasil, está disponível o ImmunoCap‐ISAC® (ThermoFisher Scientific), uma plataforma múltipla que identifica 112 componentes, naturais ou recombinantes, de 51 fontes alergênicas. O custo elevado ainda o restringe a casos muito especiais.

Apesar de os testes de provocação nasal (TPN) serem mais empregados na área de pesquisa, têm se mostrado úteis no diagnóstico de rinite alérgica, inclusive a rinite alérgica local, e de rinite não alérgica.23–25 São úteis no diagnóstico da rinite ocupacional, têm por objetivo identificar e quantificar a relevância clínica de alérgenos inaláveis ou irritantes ocupacionais.23,24 Os TPN devem ser feitos por médicos especializados, em locais apropriados e com o emprego de extratos alergênicos padronizados. Avaliação da resposta nasal pode ser feita por escore de sintomas, mas o uso de método objetivo de monitoramento é recomendado.23,24

b) Avaliação da cavidade nasal

Outros exames (citologia nasal, bacterioscopia e cultura de secreções de vias aéreas, avaliação do olfato, permeabilidade nasal [rinometria acústica, rinomanometria, pico de fluxo nasal]) são usados com menor frequência.12

c) Avaliação por imagem

A radiografia simples da rinofaringe é útil para o diagnóstico de obstrução nasal por hipertrofia da tonsila faríngea (adenoide) ou por outros processos tumorais da rinofaringe. A dos seios paranasais (incidências de Caldwell e Waters) não tem papel no diagnóstico da rinite alérgica.26

A tomografia computadorizada e a ressonância nuclear magnética de seios paranasais podem ser necessárias na avaliação de quadros inflamatórios e infecciosos crônicos sinusais, em complicações de quadros infecciosos agudos e na avaliação de processos tumorais benignos e malignos.26

d) Avaliação complementar

Sabe‐se que a rinite alérgica gera elevado impacto sobre a vida dos pacientes e de seus parentes. Recentemente foram idealizados questionários autoaplicáveis que permitem uma avaliação mais ampla dos pacientes e assim possibilitam abordagem terapêutica mais personalizada e abrangente. Entre eles destacam‐se os que avaliam distúrbios do sono e os de qualidade de vida.

Distúrbios relacionados ao sono (DRS) têm associação com fatores ambientais, sociais, culturais, biológicos, familiares e emocionais e geralmente são pouco relatados e consequentemente não valorizados e investigados.27,28 A polissonografia, considerada o padrão‐ouro para o diagnóstico de DRS, é uma avaliação objetiva, entretanto seu custo é elevado, é de difícil feitura, o que limita seu uso em estudos populacionais. Diários de sono são baratos, mas requerem tempo para preenchimento e são difíceis de interpretar.28

Recentemente, questionários escritos têm sido desenvolvidos para avaliação de DRS em diversas faixas etárias. São autoadministrados e de fácil aplicação, com custo baixo e úteis para grandes estudos.29,30 Um exemplo é o Children's Sleep Habits Questionnaire (CSQH).31 Estudo recente documentou escore significativamente maior do CSHQ em crianças com asma e/ou rinite em comparação com crianças saudáveis, em especial naquelas nas quais a doença era mal controlada.32

Outros instrumentos que têm sido cada vez mais empregados no seguimento de pacientes com rinite alérgica são os questionários de qualidade de vida em saúde (Health Related Quality of Life, HRQL), pois permitem avaliar de forma mais ampla o quanto a doença interfere no dia a dia do paciente. São curtos, autoaplicáveis, de fácil entendimento e de baixo custo.33 São exemplos desses questionários: Rhinoconjunctivitis Quality of Life Questionnaire (RQLQ),34Mini Rhinoconjunctivitis Quality of Life Questionnaire (MiniRQLQ)35 e Pediatric Rhinoconjunctivitis Quality of Life Questionnaire (PRQLQ).36

Comorbidades

As principais comorbidades associadas à rinite alérgica são: asma, conjuntivite alérgica, rinossinusite aguda, crônica, otite média com efusão e as alterações do desenvolvimento craniofacial dos respiradores bucais em crianças, além de apneia e hipopneia obstrutiva do sono, tanto em crianças como em adultos.12

Tratamento

Constam do tratamento do paciente com rinite alérgica medidas não farmacológicas e medidas farmacológicas. As medidas não farmacológicas visam a reduzir a exposição do paciente aos agentes irritantes e/ou aos quais é sensibilizado. Embora haja discussão com relação aos efeitos dessas medidas de controle ambiental sobre o controle das alergias respiratórias, elas têm sido defendidas por vários pesquisadores.37 A tabela 2 reúne as principais medidas a serem tomadas para um controle ambiental efetivo.16

Tabela 2.

Medidas de controle do ambiente16

‐ O quarto de dormir deve ser preferentemente bem ventilado e ensolarado. Evitar travesseiro e colchão de paina ou pena. Use os de espuma, fibra ou látex, sempre que possível envoltos em material plástico (vinil) ou em capas impermeáveis aos ácaros. O estrado da cama deve ser limpo duas vezes por mês. As roupas de cama e cobertores devem ser trocados e lavados regularmente com detergente e a altas temperaturas (>55°C) e secadas ao sol ou ar quente. Se possível a superfície dos colchões deve ser aspirada com um modelo potente de aspirador doméstico. 
 
‐ Evitar tapetes, carpetes, cortinas e almofadões. Dar preferência a pisos laváveis (cerâmica, vinil e madeira) e cortinas do tipo persianas ou de material que possa ser limpo com pano úmido. No caso de haver carpetes ou tapetes muito pesados, de difícil remoção, devem ser aspirados se possível duas vezes por semana após terem sido deixados ventilar. 
 
‐ Camas e berços não devem ser justapostos à parede. Caso não seja possível, coloque‐a junto à parede sem marcas de umidade ou a mais ensolarada. 
 
‐ Evitar bichos de pelúcia, estantes de livros, revistas, caixas de papelão ou qualquer outro local onde possam ser formadas colônias de ácaros no quarto de dormir. Substitua‐os por brinquedos de tecido para que possam ser lavados com frequência. 
 
‐ Identificar e eliminar o mofo e a umidade, principalmente no quarto de dormir, reduzir a umidade a menos de 50%. Verifique periodicamente as áreas úmidas de sua casa, como banheiro (cortinas plásticas do chuveiro, embaixo das pias etc.). A solução diluída de água sanitária pode ser aplicada nos locais mofados, até sua resolução definitiva, mesmo porque são irritantes respiratórios. É essencial investigar outras fontes de exposição aos fungos fora do domicílio (creche, escola e locais de trabalho). 
 
‐ Evitar o uso de vassouras, espanadores e aspiradores de pó comuns. Passar pano úmido diariamente na casa ou usar aspiradores de pó com filtros especiais 2x/semana. Afastar o paciente alérgico do ambiente enquanto se faz a limpeza. 
 
‐ Ambientes fechados por tempo prolongado (casa de praia ou de campo) devem ser arejados e limpos pelo menos 24 horas antes da entrada dos indivíduos com alergia respiratória. 
 
‐ Evitar animais de pelo e pena, especialmente no quarto e na cama do paciente (ambiente seguro). Manter a porta do quarto sempre fechada. Se for impossível, restringir o animal a uma única área da moradia e usar purificadores HEPA no quarto do paciente. Preferencialmente, animais de estimação para crianças alérgicas são peixes e tartarugas. 
 
‐ Evitar a exposição aos alérgenos de camundongos e ratos com intervenção profissional integrada aos cuidados de limpeza da moradia; inclusive a colocação de armadilhas, vedação de furos e rachaduras que possam atuar como pontos de entrada e a aplicação de raticida, nos casos de grandes infestações. 
 
‐ A inspeção é passo importante no extermínio de baratas. Evitar inseticidas e produtos de limpeza com forte odor, usar o método de iscas. Exterminar baratas e roedores pode ser necessário. 
 
‐ Remover o lixo e manter os alimentos fechados e acondicionados, pois esses fatores atraem os roedores. Não armazenar lixo dentro de casa. 
 
‐ Dar preferência às pastas e aos sabões em pó para limpeza de banheiro e cozinha. Evitar talcos, perfumes, desodorantes, principalmente na forma de sprays
 
‐ Não fumar e nem deixar que fumem dentro da casa e do automóvel. O tabagismo pré‐natal, perinatal e pós‐natal está associado a problemas respiratórios futuros na prole. 
 
‐ Evitar banhos extremamente quentes e oscilação brusca de temperatura. A temperatura ideal da água é a temperatura corporal. 
 
‐ Dar preferência à vida ao ar livre. Esportes podem e devem ser praticados, evitar dias com alta exposição aos pólens ou poluentes em determinadas áreas geográficas. 
 
‐ Recomenda‐se aos pacientes alérgicos ao pólen manter as janelas da casa e do carro fechadas durante o dia, abri‐las à noite (menor contagem de pólens). Os sistemas de ventilação de casa e do carro devem ser equipados com filtros especiais para pólens. Máscaras protetoras e óculos são úteis. Os pólens podem ser transportados para dentro de casa nas roupas e em animais domésticos. Evite deixar as roupas para secar ao ar livre, se possível use secadora automática. 
 
‐ Evitar atividades externas nos períodos de alta contagem de pólens, entre 5h e 10h e em dias secos, quentes e com ventos. 
 
‐ Manter os filtros dos aparelhos de ar condicionado sempre limpos. Se possível limpe‐os mensalmente. Evitar a exposição a temperatura ambiente muito baixa e oscilações bruscas de temperatura. Lembrar que o ar condicionado é seco e pode ser irritante. 

Como medidas farmacológicas destacamos as diferentes classes de medicamentos habitualmente usados na abordagem terapêutica dos pacientes com rinite alérgica: anti‐histamínicos H1 isolados (anti‐H1; sistêmicos ou tópicos), descongestionantes (sistêmico, tópico nasal), corticosteroides (sistêmico, tópico nasal), cromoglicato dissódico, antagonistas de receptores de leucotrienos. Além desses, a solução salina, a imunoterapia alergenoespecífica e, mais recentemente, agentes imunobiológicos têm composto o arsenal terapêutico de pacientes com rinite alérgica.12

Os anti‐H1 são considerados medicamentos de primeira linha no tratamento da RA, sobretudo os de segunda geração ou não clássicos.2,3,7 Por atuar sobre o receptor H1da histamina, aliviam de forma eficaz os sintomas da fase imediata da RA, como o prurido nasal, os espirros, a rinorreia e os sintomas oculares associados, e parcialmente o bloqueio nasal, característico da fase tardia da doença.38 Por serem menos lipofílicos e terem baixa passagem pela barreira hematoencefálica, fixam‐se pouco aos receptores H1 cerebrais e consequentemente causam menos efeitos adversos sobre o sistema nervoso central como sedação.39

Os anti‐H1 de segunda geração tem início rápido de ação e são medicamentos para uso por tempo variável (uma a quatro semanas), podem também ser usados por tempo prolongado em casos moderados‐graves e persistentes. Em virtude de seu excelente perfil de segurança e vantagens terapêuticas no tratamento da rinite alérgica, os anti‐H1 de segunda geração devem ser sempre priorizados em relação aos compostos mais antigos para todas as faixas etárias.40–42

Além das formulações orais, atualmente são disponíveis anti‐histamínicos para uso tópico nasal e ocular. Os anti‐H1 tópicos nasais têm eficácia similar aos compostos orais e apresentam como vantagem terapêutica início de ação mais rápido e maior efetividade no controle da obstrução nasal.43–45

Os descongestionantes nasais são estimulantes adrenérgicos ou adrenomiméticos, cuja ação principal é a vasoconstrição, produzem alívio rápido do bloqueio nasal na rinite alérgica.46 De acordo com a via de aplicação, são divididos em dois grupos: oral e tópico nasal. A pseudoefedrina é o descongestionante oral mais usado, seguido pela fenilefrina. No Brasil, só estão disponíveis em combinação com anti‐H1. A pseudoefedrina deve ser usada com cautela em função de sua ação psicotrópica e de seus potenciais efeitos colaterais cardiovasculares. Não é recomendada para pacientes menores de quatro anos, pelo maior risco de toxicidade, e as formulações de liberação prolongada com doses de 120mg não são recomendadas para menores de 12 anos.46,47 Os descongestionantes tópicos nasais devem ser usados no máximo por até 5‐7 dias, pois o uso prolongado aumenta o risco de rinite medicamentosa, muitas vezes de difícil resolução. Além disso, podem causar efeitos cardiovasculares importantes, assim como no sistema nervoso central (derivados imidazólicos), são contraindicados em crianças menores de seis anos. Também devem ser evitados em idosos, em função da maior incidência de hipertensão e retenção urinária com seu uso nessa faixa etária.46

A associação de oximetazolina e furoato de mometasona para uso tópico nasal acompanhou‐se por início rápido de ação, melhor eficácia sobre o bloqueio nasal e redução do tamanho dos pólipos, em pacientes com rinite alérgica sazonal e polipose nasal, em comparação com os fármacos administrados de forma isolada.48,49

Os corticosteroides, potentes agentes anti‐inflamatórios, têm sido muito usados no tratamento de várias doenças, inclusive as alérgicas. Em pacientes com rinite alérgica os corticosteroides sistêmicos são reservados a pacientes com exacerbações graves ou formas graves de rinite alérgica sempre por curto período (cinco a sete dias) para prevenção de efeitos adversos decorrentes do uso prolongado.2,12 Entretanto, a administração parenteral de corticosteroides (conhecidos como de depósito; ação prolongada) é proscrita no manejo da rinite, em especial em crianças e idosos, devido aos efeitos adversos sistêmicos.12 Estudo recente avaliou a ação da associação desloratadina (0,5mg/mL) e prednisolona (4mg/mL) durante sete dias em crianças (dois a 12 anos) em crise aguda grave de rinite alérgica e documentou controle significativo dos sintomas nas primeiras 24 horas de tratamento, acompanhada por menor incidência de eventos adversos, sobretudo sonolência.50

Já os corticosteroides tópicos nasais (CN) apresentam perfil de segurança mais amplo, o que possibilita seu uso por períodos de tempo mais prolongados e são o tratamento anti‐inflamatório de escolha advogado pela maioria dos especialistas que tratam a rinite alérgica (de várias sociedades médicas1–3,8,12,51). Os corticosteroides tópicos nasais também têm se mostrado efetivos no controle de rinites ocupacional, gestacional e idiopática.51

Os CN melhoram a congestão nasal, a alteração do olfato, a coriza, os espirros, o prurido nasal e os sintomas oculares associados, esses últimos por possível ação no reflexo naso‐ocular (rinoconjuntivite alérgica). Seu uso leva a melhoria na qualidade de vida, na qualidade de sono e na concentração diurna. O tratamento com CN reduz também o risco de complicações como a rinossinusite, a otite secretora e a asma.1,2,12

No Brasil as formulações de CN disponíveis são: dipropionato de beclometasona (BDP), budesonida (BUD), propionato de fluticasona (FP), furoato de mometasona (MF), furoato de fluticasona (FF) e ciclesonida (CIC). Os CN liberados para uso em maiores de dois anos são o MF e o FF; para maiores de quatro anos a BUD e o FP enquanto que acima dos seis anos são o BDP e a CIC.12 O início da ação dos CN ocorre em sete a 12 horas após sua administração, mas os pacientes devem ser notificados de que o efeito terapêutico final pode demorar até 14 dias para ser atingido.12,51 Embora todos tenham ação anti‐inflamatória, diferem em suas características farmacodinâmicas e farmacocinéticas, o que lhes garante diferentes perfis de segurança.51

Estudos mostram que o efeito terapêutico dos CN depende não apenas da efetividade da substância ativa, mas também da deposição do produto na cavidade nasal (spray ou aerossol),51,52 de sua afinidade pelo receptor de glicocorticoide e da relação concentração‐tempo no local da atuação e a lipofilia é fator importantes no efeito terapêutico e no do potencial de atingir a circulac??a??o siste??mica (disponibilidade sistêmica) e da sua eliminação.51,52 Acredita‐se que o CN ideal deveria apresentar alta lipofilia, baixa disponibilidade sistêmica e elevado clearance sistêmico.52,53

Os efeitos adversos dos CN são, em sua maioria, dependentes da disponibilidade sérica, que é diminuída pela capacidade do fármaco de ligar‐se a proteínas plasmáticas. A nova geração de CN exibe alta afinidade de ligação às proteínas plasmáticas: FF, FM e CIC ligam‐se em 99%; FP em 90%, BUD em 88% e DPB em 87%, o que afeta sua biodisponibilidade sistêmica.53,54

Os principais efeitos adversos relacionados ao uso de CN são locais (irritação local, sangramento, perfuração septal), podem ser observados com qualquer dos produtos usados e são dependentes da dose usada e da técnica de aplicação. Em relação aos efeitos adversos sistêmicos (interferência sobre o eixo hipotálamo‐hipófise‐adrenal, efeitos oculares, efeitos sobre o crescimento, reabsorção óssea e efeitos cutâneos), podem ocorrer segundo a idade do paciente, a dose usada e a farmacocinética do produto.53,54

Embora sejam apontados como seguros, mesmo em pequena escala, todos os CN são absorvidos sistemicamente em alguma porção e podem exibir efeitos adversos. Os efeitos dos CN em crianças e em gestantes são semelhantes aos observados em pacientes adultos.54 Entretanto, o uso dos CN em gestantes exige maior ponderação, uma vez que há sempre a preocupação com a embriogênese. A BUD é o único CN que entra na categoria B para uso na gravidez, com a ressalva da prescrição na menor dose e tempo possíveis.55

A associação de anti‐H1 (cloridato de azelastina) e CN (propionato de fluticasona) para uso tópico, em dispositivo único, incialmente indicada para pacientes maiores de 12 anos, com sintomas persistentes moderados ou graves e sem controle com anti‐H1 e/ou CN,55–58 mostrou‐se eficaz e segura em crianças a partir dos quatro anos.59,60

Estudos em pacientes com rinite alérgica compararam o tratamento com a associação e os componentes administrados de modo isolado e revelaram ser a associação mais efetiva no controle desses pacientes,55–60 sem perda de sua ação mesmo quando administrados por tempo prolongado.61 A incidência de eventos adversos tem sido similar à observada com os pacientes tratados com placebo. Até o momento não há dados suficientes sobre segurança de seu uso em mulheres grávidas ou em amamentação.55,61

O cromoglicato dissódico tem ação estabilizadora sobre a membrana de mastócitos e, consequentemente, impede a ação dos mediadores químicos liberados por essas células durante a reação alérgica. São superiores ao placebo, porém muito menos eficazes quando comparados com aos anti‐H1 e os CN, no controle da rinorreia, dos espirros e do prurido nasal, além de pouco atuar sobre a obstrução.2,62 Apresenta excelente perfil de segurança, torna‐se uma opção terapêutica aceitável em lactentes, faixa etária em que os CN não são liberados.2,62 Devido à sua curta meia‐vida, deve ser administrado de quatro a seis vezes ao dia, o que dificulta a adesão ao tratamento.

O montelucaste sódico (MS) é o único composto representante dos antagonistas de receptores de leucotrienos existente no Brasil. Tem superioridade reconhecida ao placebo no controle dos sintomas e na melhoria da qualidade de vida de pacientes com rinite alérgica.63–65 Embora o MS não seja a primeira escolha para o tratamento de pacientes com rinite alérgica, tem sido apontado como uma opção terapêutica para os pacientes com asma e rinite alérgica concomitante66 e naqueles com dificuldade de adesão aos regimes de tratamento com medicação tópica nasal. Além disso, podem ser considerados nos casos de rinossinusite crônica com polipose nasal, na doença respiratória exacerbada por aspirina (AERD).

Recentemente uma associação entre um anti‐H1 (levocetirizine 5 mg + montelucaste de sódio 10 mg) para indivíduos maiores de 18 anos foi disponibilizada para uso.67 Estudos em adultos mostram que a terapia combinada é superior a ambas as medicações quando administradas de modo isolado.68–70

A imunoterapia alergenoespecífica (ITE) permanece como o único tratamento modificador da doença alérgica.71 Além disso, proporciona benefícios duradouros após a sua descontinuação,72 previne a progressão da doença, inclusive o desenvolvimento de asma,73,74 bem como o desenvolvimento de novas sensibilizações.75–77

A ITE é recomendada no tratamento de adultos e crianças (> 5 anos) com rinite alérgica moderada/grave intermitente e em todas as formas persistentes,77 sempre por especialista em alergologia. A indicação da ITE deve estar fundamentada na comprovação da sensibilização alergenoespecífica por métodos in vivo ou in vitro, na relevância do(s) alérgeno(s) no desencadeamento de sintomas, na impossibilidade de evitar a exposição ao(s) alérgeno(s) e na disponibilidade de extrato alergênico padronizado e comprovadamente eficaz.12,78 É procedimento terapêutico de longa duração.

São contraindicações absolutas de ITE: asma não controlada, doença autoimune ativa, neoplasia maligna, crianças menores de dois anos e pacientes com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). São contraindicações relativas: asma parcialmente controlada, doença autoimune em remissão, uso de betabloqueadores, doenças cardiovasculares, crianças entre dois e cinco anos, infecção pelo HIV (classificação A e B; CD4 > 200 células/mm3), infecções crônicas, imunodeficiências e uso de imunossupressores.79

A lavagem nasal com soluções salinas tem sido empregada como coadjuvante no tratamento de afecções nasais agudas e crônicas. Por ser método barato, prático e bem tolerado tornou‐se muito difundido. O uso da solução salina facilita a remoção de secreções, promove consequentemente alívio sintomático aos pacientes.51 No caso específico das rinites inflamatórias e alérgicas, a lavagem nasal também promove a remoção de mediadores inflamatórios presentes no muco nasal, atua assim na melhoria do quadro.51 A solução salina isotônica deve ser usada 1‐2x ao dia, como tratamento adjuvante na rinite alérgica.80 A observação clínica recomenda a lavagem nasal prévia antes da aplicação de outros medicamentos tópicos nasais.

Agentes biológicos (anticorpos monoclonais humanos ou humanizados) desenvolvidos para o tratamento da asma grave têm sido usados, com bons resultados, em outras doenças, como urticária crônica, rinossinusite crônica, polipose nasal e rinite alérgica. Sintetizados por organismos vivos e direcionados contra um determinante específico, por exemplo, uma citocina ou seu receptor.81 A identificação de diferentes vias moleculares que têm significado clínico contribuiu para estabelecer os alvos do tratamento e levou à identificação dos endotipos descritos em asmáticos e que poderiam muito bem ser transferidos à rinite alérgica.82

Em doenças alérgicas os alvos contra os quais foram desenvolvidos agentes biológicos são: IgE, citocinas promotoras de resposta Th2, como IL‐4, IL‐5, IL‐9, IL‐13, IL‐31, e TSLP, receptor para quimiocinas CCR4 e moléculas de superfície e adesão CD2, CD11a, CD20, CD25, CD52 e ligante OX40. No entanto, há poucas evidências de uso de biológicos em rinite alérgica.

Metanálise avaliou a eficácia e segurança de omalizumabe em pacientes com rinite alérgica não controlada e o associou de modo significante a alívio de sintomas, redução do consumo de medicação de resgate e melhoria da qualidade de vida nesses pacientes.83 O omalizumabe é, em geral, bem tolerado e a sua readministração não é seguida pela formação de anticorpos contra a medicação, portanto não se mostrou imunogênico.84 Além disso, a adição de anti‐IgE à imunoterapia alérgeno específica reduziu o índice de reações sistêmicas à ITE.85–87

Biológicos, inclusive anti‐IL‐5 (mepolizumabe, reslizumabe) e anti‐IL4/13 (dupilumabe), foram estudados em pacientes com diferentes condições, mas a eficácia não ocorreu em todos os pacientes. O alvo desses biológicos são moléculas específicas que participam dos mecanismos patogenéticos da asma, rinite, dermatite atópica e rinossinusite crônica.88 O que se espera é o controle das doenças pela redução da inflamação imunológica e da produção de anticorpos IgE. Há necessidade de estudos delineados para avaliar a ação desses recursos terapêuticos com desfecho primário na rinite alérgica.89

Avaliação do controle clínico

De modo semelhante ao observado em diversas doenças crônicas, como a asma e a urticária crônica, o conceito de controle clínico na rinite tem sido valorizado nos últimos anos. Esse conceito pode ser definido como o nível no qual os objetivos do manejo da doença são alcançados pelo tratamento instituído.90

Diferentemente do nível de gravidade da doença, critério classicamente empregado para definir o tratamento da rinite,2 o controle da rinite parece ser um critério mais adequado para nortear o seu tratamento.90 Entretanto, a avaliação do controle da doença deve ser personalizada e nada substitui o adequado seguimento da rinite alérgica no contexto da relação médico‐paciente. Diversos instrumentos foram desenvolvidos com o objetivo de auxiliar a avaliação do controle da rinite por médicos e/ou atuar na triagem de pacientes não controlados na atenção primária.90,91 Entre eles destacam‐se a escala visual analógica (EVA) e questionários/escores de avaliação. A EVA foi recentemente proposta por algumas organizações e sociedades médicas como ferramenta para a autoavaliação rotineira do paciente e como método auxiliar no manejo do tratamento farmacológico.4,92,93

Os questionários/escores de avaliação de controle, propostos mais recentemente, diferem no enfoque dado ao conceito de controle, ora abordam mais intensamente os sintomas da doença, ora valorizam o impacto das consequências da rinite nas atividades e na vida diária. Além disso, observam‐se questionários específicos para a avaliação da rinite e questionários que abordam simultaneamente a rinite e a asma. Entre esses destacam‐se: Rhinitis Control Assessment Test (RCAT),94,95Rhinitis Control Scoring System (RCSS)96 e Allergic Rhinitis Control Test.97 O Control of Allergic Rhinitis and Asthma Test (CARAT) foi idealizado para avaliar conjuntamente o controle de pacientes com asma e rinite em adolescentes e adultos98 e o Control of Allergic Rhinitis and Asthma Test – Kids (CARATkids) para crianças de seis a 12 anos.99

Tratamento cirúrgico

O tratamento cirúrgico na rinite alérgica tem por finalidade corrigir as alterações anatômicas nasossinusais crônicas associadas. Isso é especialmente válido para pacientes com obstrução nasal refratária ao tratamento clínico e que apresentam hipertrofia da concha inferior.41 Os benefícios relatados por estudos observacionais indicam potencial melhoria da respiração e consequente melhoria na qualidade de vida, assim como a melhor distribuição dos medicamentos tópicos na cavidade nasal.40

Até o momento, nenhuma técnica foi estabelecida como padrão‐ouro. A seleção da técnica a ser empregada é individualizada e depende de fatores como, por exemplo, maior ou menor componente ósseo ou mucoso da concha inferior, experiência do cirurgião, equipamentos disponíveis, custo, entre outros.100

Considerações finais

Com base nas recomendações para tratamento da rinite alérgica publicadas pela iniciativa ARIA2,4,5 e pela Academia Europeia de Alergia e Imunologia, Americana de Asma, Alergia e Imunologia9 e Americana de Otorrinolaringologia,40 propusemos o fluxograma para o tratamento (figura 1).

Figura 1.
(0,36MB).

Fluxograma de tratamento para a rinite alérgica.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
J. Bousquet,P. Van Cauwenberge,N. Khaltaev,Aria Workshop Group; World Health Organization
Allergic rhinitis and its impact on asthma
J Allergy Clin Immunol, 108 (2001), pp. S147-S334
[2]
J. Bousquet,N. Khaltaev,A.A. Cruz,J. Denburg,W.J. Fokkens,A. Togias
Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma (ARIA) 2008 update (in collaboration with the World Health Organization, GA(2)LEN and AllerGen)
[3]
J.L. Brozek,J. Bousquet,C.E. Baena-Cagnani,S. Bonini,G.W. Canonica,T.B. Casale
Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma (ARIA) guidelines: 2010 revision
J Allergy Clin Immunol, 126 (2010), pp. 466-476 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2010.06.047
[4]
J. Bousquet,H.J. Schünemann,P.W. Hellings,S. Arnavielhe,C. Bachert,A. Bedbrook
MACVIA clinical decision algorithm in adolescents and adults with allergic rhinitis
J Allergy Clin Immunol, 138 (2016),
367–374.e2
[5]
J.L. Brożek,J. Bousquet,I. Agache,A. Agarwal,C. Bachert,S. Bosnic-Anticevich
Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma (ARIA) guidelines—2016 revision
J Allergy Clin Immunol, 140 (2017), pp. 950-958 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2017.03.050
[6]
Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia e Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial.
II Consenso Brasileiro sobre Rinites – 2006
Rev Bras Alerg Imunopatol, 75 (2006), pp. 29-59
[7]
D. Solé,E. Sakano,A.A. Cruz,A.C. Pastorino,E.A. Prado,F.M. Castro
III Consenso Brasileiro sobre Rinites – 2012
Braz J Otorhinolaringol, 75 (2012), pp. 1-51
[8]
International Consensus Report on Diagnosis and Management of Rhinitis. International Rhinitis Management Working Group
Allergy, 49 (1994), pp. 1-34
[9]
A. Muraro,R.F. Lemanske Jr.,P.W. Hellings,C.A. Akdis,T. Bieber,T.B. Casale
Precision medicine in patients with allergic diseases: airway diseases and atopic dermatitis‐PRACTALL document of the European Academy of Allergy and Clinical Immunology and the American Academy of Allergy, Asthma & Immunology
J Allergy Clin Immunol, 137 (2016), pp. 1347-1358 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2016.03.010
[10]
P.W. Hellings,L. Klimek,C. Cingi,I. Agache,C. Akdis,C. Bachert
Non‐allergic rhinitis: position paper of the European Academy of Allergy and Clinical Immunology
[Epub ahead of print]
[11]
D. Solé,N.A. Rosário Filho,E.S. Sarinho,I.C. Camelo-Nunes,B.A.P. Barreto,M.L. Medeiros
Prevalence of asthma and allergic diseases in adolescents: nine‐year follow‐up study (2003–2012)
J Pediatr (Rio J), 91 (2015), pp. 30-35
[12]
Sakano E, Sarinho EC, Solé D, Cruz AA, Pastorino AC, Tamashiro E, et al. IV Consenso Brasileiro sobre Rinites – Documento conjunto elaborado pelas Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial e Sociedade Brasileira de Pediatria. http://www.aborlccf.org.br/consensos/Consenso_sobre_Rinite‐SP‐2017.pdf
[13]
A.C. Pastorino,F.C. Kuschnir,L.K. Arruda,R.R. Casagrande,R.G. de Souza,G.A. Dias
Sensitisation to aeroallergens in Brazilian adolescents living at the periphery of large subtropical urban centres
Allergol Immunopathol (Madr), 36 (2008), pp. 9-16
[14]
E.C. Sarinho,J. Mariano,S.W. Sarinho,D. Medeiros,J.A. Rizzo,R.S. Almerinda
Sensitisation to aeroallergens among asthmatic and non‐asthmatic adolescents living in a poor region in the Northeast of Brazil
Allergol Immunopathol (Madr), 37 (2009), pp. 239-243
[15]
H.J. Chong Neto,C.S. Rosario,B.A. Rosario,F.H. Chong,E.A. Grasselli,F.C. Silva
Allergic rhinitis in preschool children from southern Brazil
Allergy, 69 (2014), pp. 545-547 http://dx.doi.org/10.1111/all.12372
[16]
N.P.M. Rubini,G.F. Wandalsen,M.C.V. Rizzo,M.V. Aun,H.J. Chong Neto,D. Sole
Guia prático sobre controle ambiental para pacientes com rinite alérgica
Arq Alergia Imunol, 1 (2017), pp. 7-22
[17]
F.E. Simons,L.R. Ardusso,M.B. Bilò,V. Cardona,M. Ebisawa,Y.M. El-Gamal
International consensus on (ICON) anaphylaxis
World Allergy Organ J, 7 (2014), pp. 9 http://dx.doi.org/10.1186/1939-4551-7-9
[18]
A.M. Chiriac,J. Bousquet,P. Demoly
Cap 70. In vivo methods for the study and diagnosis of allergy
Middleton's allergy principles and practice, 8th ed., pp. 1119-1132
[19]
P.H. Smith,D.R. Ownby
Clinical significance of immunoglobulin E
Middleton's allergy principles and practice, 8th ed., pp. 1108-1118
[20]
G.K. Scadding,G.W. Scadding
Diagnosing allergic rhinitis
Immunol Allergy Clin N Am, 36 (2016), pp. 249-260
[21]
G.W. Canonica,I.J. Ansotegui,R. Pawankar,P. Schmid-Grendelmeier,M. van Hage,C.E. Baena-Cagnani
A WAO – ARIA – GA2LEN consensus document on molecular‐based allergy diagnostics
World Allergy Organ J, 6 (2013), pp. 17 http://dx.doi.org/10.1186/1939-4551-6-17
[22]
P.M. Matricardi,J. Kleini-Tebbe,H.J. Hoffmann,R. Valenta,C. Hilger,S. Hofmaier
EAACI Molecular Allergology User's Guide
Pediatr Allergy Immunol, 27 (2016), pp. 1-250 http://dx.doi.org/10.1111/pai.12563
[23]
M. Dordal,M. Lluch-Bernal,M. Sanchez,C. Rondon,A. Navarro,J. Montoro
Allergen‐specific nasal provocation testing: review by the rhinoconjunctivitis committee of the Spanish Society of Allergy and Clinical Immunology
J Investig Allergol Clin Immunol, 21 (2011), pp. 1-12
[24]
J. Gosepath,R. Amedee,W. Mann
Nasal provocation testing as an international standard for evaluation of allergic and nonallergic rhinitis
[25]
C. Rondon,J. Fernandez,G. Canto,M. Blanca
Local allergic rhinitis: concept, clinical manifestations, and diagnostic approach
J Investig Allergol Clin Immunol, 20 (2010), pp. 364-371
[26]
V.M. Joshi,R. Sansi
Imaging in sinonasal inflammatory disease
Neuroimaging Clin N Am, 25 (2015), pp. 549-568 http://dx.doi.org/10.1016/j.nic.2015.07.003
[27]
J. Zhang,A.M. Li,T.F. Fok,Y.K. Wing
Roles of parenteral sleep/wake patterns, socioeconomics status and daytime activities in the sleep/wake patterns of children
J Pediatr, 156 (2010), pp. 606-612 http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2009.10.036
[28]
J.A. Owens
Classification and epidemiology of childhood sleep disorders
Prim Care, 35 (2008), pp. 533-546 http://dx.doi.org/10.1016/j.pop.2008.06.003
[29]
C.A. Alfano,V.C. Smith,K.C. Reynolds,R. Reddy,L.R. Dougherty
The Parent‐Child Sleep Interactions Scale (PSIS) for pre schoolers: factor structure and initial psychometric properties
J Clin Sleep Med, 9 (2013), pp. 1153-1160 http://dx.doi.org/10.5664/jcsm.3156
[30]
V. Certal,F.F. de Lima,J.C. Winck,I. Azevedo,A. Costa-Pereira
Translation and cross‐cultural adaptation of the Pediatric Sleep Questionnaire into Portuguese language
Int J Pediatr Otorhino‐Laryngol, 79 (2015), pp. 175-178
[31]
J.A. Owens,A. Spirito,M. McGuinn
The children's Sleep Habits Questionnaire (CSHQ): psychometric of a survey instrument for school‐aged children
Sleep, 23 (2000), pp. 1043-1051
[32]
M. Urrutia-Pereira,D. Solé,H.J. Chong Neto,V. Acosta,A.M. Cepeda,M. Álvarez-Castelló
Sleep disorders in Latin‐American children with asthma and/or rhinitis and normal controls
Allergol Immunopathol (Madr), 45 (2017), pp. 145-151
[33]
E.F. Juniper,E. Ståhl,R.L. Doty,F.E. Simons,D.B. Allen,P.H. Howarth
Clinical outcomes and adverse effect monitoring in allergic rhinitis
J Allergy Clin Immunol, 115 (2005), pp. S390-S413 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2004.12.014
[34]
E.F. Juniper,G.H. Guyatt,L.E. Griffith,P.J. Ferrie
Interpretation of rhinoconjunctivitis quality of life questionnaire data
J Allergy Clin Immunol, 98 (1996), pp. 843-845
[35]
E.F. Juniper,A.K. Thompson,P.J. Ferrie,J.N. Roberts
Development and validation of the mini Rhinoconjunctivitis Quality of Life Questionnaire
Clin Exp Allergy, 30 (2000), pp. 132-140
[36]
E.F. Juniper,W.C. Howland,N.B. Roberts,A.K. Thompson,D.R. King
Measuring quality of life in children with rhinoconjunctivitis
J Allergy Clin Immunol, 101 (1998), pp. 163-170
[37]
P. Le Cann,H. Paulus,P. Glorennec,B. Le Bot,S. Frain,J.P. Gangneux
Home environmental interventions for the prevention or control of allergic and respiratory diseases: what really works
J Allergy Clin Immunol Pract, 5 (2017), pp. 66-79 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaip.2016.07.011
[38]
F.E. Simons,J.K. Simons
Histamine and H1‐antihistamines: celebrating a century of progress
J Allergy Clin Immunol, 128 (2011), pp. 1139-1150 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2011.09.005
[39]
S.T. Holgate,G.W. Canonica,F.E. Simons,M. Taglialatela,M. Tharp,H. Timmerman
Consensus Group on New‐Generation Antihistamines (CONGA): present status and recommendations
Clin Exp Allergy, 33 (2003), pp. 1305-1324
[40]
M.D. Seidman,R.K. Gurgel,S.Y. Lin,S.R. Schwartz,F.M. Baroody,R. James
Clinical Practice Guideline: Allergic Rhinitis
Otolaryngol Head Neck Surg, 152 (2015), pp. S1-S43 http://dx.doi.org/10.1177/0194599815572097
[41]
G. Roberts,M. Xatzipsalti,L.M. Borrego,A. Custovic,S. Halken,P.W. Hellings
Paediatric rhinitis: position paper of the European Academy of Allergy and Clinical Immunology
Allergy, 68 (2013), pp. 1102-1116 http://dx.doi.org/10.1111/all.12235
[42]
K. Snidvongs,K. Seresirikachorn,L. Khattiyawittayakun,W. Chitsuthipakorn
Sedative effects of levocetirizine: a systematic review and meta‐analysis of randomized controlled studies
[43]
M.A. Kaliner,W.E. Berger,P.H. Ratner,C.J. Siegel
The efficacy of intranasal antihistamines in the treatment of allergic rhinitis
Ann Allergy Asthma Immunol, 106 (2011), pp. S6-S11 http://dx.doi.org/10.1016/j.anai.2010.08.010
[44]
C.F. LaForce,J. Corren,W.J. Wheeler,W.E. Berger,Rhinitis Study Group
Efficacy of Azelastine nasal spray in seasonal allergic rhinitis patients who remain symptomatic after treatment with Fexofenadine
Ann Allergy Asthma Immunol, 93 (2004), pp. 154-159 http://dx.doi.org/10.1016/S1081-1206(10)61468-8
[45]
W.E. Berger,M.V. White,Rhinitis Study Group
Efficacy of Azelastine nasal spray in patients with an unsatisfactory response to loratadine
Ann Allergy Asthma Immunol, 91 (2003), pp. 205-211 http://dx.doi.org/10.1016/S1081-1206(10)62179-5
[46]
O. Laccourreyea,A. Wernerb,J.-P. Giroud,V. Couloignerd,P. Bonfilsa,B. Bondon-Guittone
Benefits, limits and danger of ephedrine and pseudoephedrine as nasal decongestants
Eur Ann Otorhinolaryngol Head Neck Dis, 132 (2015), pp. 31-34 http://dx.doi.org/10.1016/j.anorl.2014.11.001
[47]
L. Vernacchio,J.P. Kelly,D.W. Kaufman,A.A. Mitchell
Pseudoephedrine use among US children, 1999–2006: results from the Slone survey
Pediatrics, 122 (2008), pp. 1299-1304 http://dx.doi.org/10.1542/peds.2008-0284
[48]
E.O. Meltzer,D.I. Bernstein,B.M. Prenner,W.E. Berger,T. Shekar,A.A. Teper
Mometasone furoate nasal spray plus oxymetazoline nasal spray: short‐term efficacy and safety in seasonal allergic rhinitis
Am J Rhinol Allergy, 27 (2013), pp. 102-108 http://dx.doi.org/10.2500/ajra.2013.27.3864
[49]
W.J. Fokkens,V.J. Lund,J. Mullol,C. Bachert,I. Alobid,F. Baroody
EPOS 2012: European position paper on rhinosinusitis and nasal polyps 2012. A summary for otorhinolaryngologists
Rhinology, 50 (2012), pp. 1-12 http://dx.doi.org/10.4193/Rhino50E2
[50]
G.F. Wandalsen,C. Miranda,L.F. Ensina,F. Sano,R.B. Amazonas,J.M. Silva
Association between desloratadine and prednisolone in the treatment of children with acute symptoms of allergic rhinitis: a double‐blind, randomized and controlled clinical trial
Braz J Otorhinolaryngol, (2016), http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2016.08.009
[Epub ahead of print]
[51]
A. Karatzanis,A. Chatzidakis,A. Milioni,S. Vlaminck,H. Kawauchi,S. Velegrakis
Contemporary use of corticosteroids in rhinology
Curr Allergy Asthma Rep, 17 (2017), pp. 1-11 http://dx.doi.org/10.1007/s11882-017-0676-3
[52]
T. Schäfer,M. Schnoor,M. Wagenmann,L. Klimek,C. Bachert
Therapeutic Index (TIX) for intranasal corticosteroids in the treatment of allergic rhinitis
Rhinology, 49 (2011), pp. 272-280 http://dx.doi.org/10.4193/Rhino10.170
[53]
J. Sastre,R. Mosges
Local and systemic safety of intranasal corticosteroids
J Investig Allergol Clin Immunol, 22 (2012), pp. 1-12
[54]
A. Nowicka,B. Samoliński
Is the use of intranasal glucocorticosteroids (inGCSs) in children safe?
Otolaryngol Pol, 69 (2015), pp. 1-10 http://dx.doi.org/10.5604/00306657.1177024
[55]
W. Carr,J. Bernstein,P. Lieberman,E. Meltzer,C. Bachert,D. Price
A novel intranasal therapy of azelastine with fluticasone for the treatment of allergic rhinitis
J Allergy Clin Immunol, 129 (2012), pp. 1282-1289 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2012.01.077
[56]
H. Derendorf,E. Meltzer,R. Hermann,G. Canonica
Clinical development of an advanced intranasal delivery system of azelastine hydrochloride and fluticasone propionate
Drugs Today (Barc), 50 (2014), pp. 15-31
[57]
E.O. Meltzer,C. LaForce,P. Ratner,D. Price,D. Ginsberg,W. Carr
MP29‐02 (a novel intranasal formulation of azelastine hydrochloride and fluticasone propionate) in the treatment of seasonal allergic rhinitis: a randomized, double‐blind, placebo‐controlled trial of efficacy and safety
Allergy Asthma Proc, 33 (2012), pp. 324-332 http://dx.doi.org/10.2500/aap.2012.33.3587
[58]
E. Meltzer,P. Ratner,C. Bachert,W. Carr,W. Berger,G. Canonica
Clinically relevant effect of a new intranasal therapy (MP 29‐02) in allergic rhinitis assessed by responder analysis
Int Arch Allergy Immunol, 161 (2013), pp. 369-377 http://dx.doi.org/10.1159/000351404
[59]
W. Berger,J. Bousquet,A.T. Fox,I. Just,A. Muraro,A. Nieto
AzeFlu is more effective than fluticasone propionate for the treatment of allergic rhinitis in children
Allergy, 71 (2016), pp. 1219-1222 http://dx.doi.org/10.1111/all.12903
[60]
W. Berger,E.O. Meltzer,N. Amar,A.T. Fox,J. Just,A. Muraro
Efficacy of MP‐AzeFlu in children with seasonal allergic rhinitis: importance of paediatric symptom assessment
Pediatr Allergy Immunol, 27 (2016), pp. 126-133 http://dx.doi.org/10.1111/pai.12540
[61]
L. Klimek,J. Bousquet,D. Price
Safety evaluation of MP29‐02 (a novel intranasal formulation of azelastine hydrochloride and fluticasone propionate) for allergic rhinitis
Expert Opin Drug Saf, 15 (2016), pp. 117-129 http://dx.doi.org/10.1517/14740338.2016.1122755
[62]
P.H. Ratner,P.M. Ehrlich,S.M. Fineman,E.O. Meltzer,D.P. Skoner
Use of intranasal cromolyn sodium for allergic rhinitis
Mayo Clin Proc, 77 (2002), pp. 350-354 http://dx.doi.org/10.1016/S0025-6196(11)61788-6
[63]
J. Grainger,A. Drake-Lee
Montelukast in allergic rhinitis: a systematic review and meta‐analysis
Clin Otolaryngol, 31 (2006), pp. 360-367 http://dx.doi.org/10.1111/j.1749-4486.2006.01276.x
[64]
G.J. Rodrigo,A. Yanez
The role of antileukotriene therapy in seasonal allergic rhinitis: a systematic review of randomized trials
Ann Allergy Asthma Immunol, 96 (2006), pp. 779-786 http://dx.doi.org/10.1016/S1081-1206(10)61339-7
[65]
A. Nayak,R.B. Langdon
Montelukast in the treatment of allergic rhinitis: an evidence‐based review
Drugs, 67 (2007), pp. 887-901
[66]
Global Initiative for Asthma – Global Strategy for Asthma management and prevention. Revised 2017. Disponível em: www.ginasthma.org [accessed May 2017].
[67]
V. Gupta,P.S. Matreja
Efficacy of montelukast and levocetirizineas treatment for allergic rhinitis
J Allergy Ther, 1 (2010), pp. 103
[68]
Y. Xu,J. Zhang,J. Wang
The efficacy and safety of selective H1‐antihistamine versus leukotriene receptor antagonist for seasonal allergic rhinitis: a meta‐analysis
[69]
C. Wei
The efficacy and safety of H1‐antihistamine versus Montelukast for allergic rhinitis: a systematic review and meta‐analysis
Biomed Pharmacother, 83 (2016), pp. 989-997 http://dx.doi.org/10.1016/j.biopha.2016.08.003
[70]
G. Di Lorenzo,M.L. Pacor,M.E. Pellitteri,G. Morici,A. Di Gregoli,C. Lo Bianco
Randomized placebo‐controlled trial comparing fluticasone aqueous nasal spray in monotherapy, fluticasone plus cetirizine, fluticasone plus montelukast and cetirizine plus montelukast for seasonal allergic rhinitis
Clin Exp Allergy, 34 (2004), pp. 259-267
[71]
L. Cox,D. Wallace
Specific allergy immunotherapy for allergic rhinitis: subcutaneous and sublingual
Immunol Clin N Am, 31 (2011), pp. 561-599
[72]
S.R. Durhan,S.M. Walker,E.M. Varga,M.R. Jacobson,F. O’Brien,W. Noble
Long‐term clinical efficacy of grass‐pollen immnunotherapy
N Engl J Med, 341 (1999), pp. 468-475 http://dx.doi.org/10.1056/NEJM199908123410702
[73]
L. Jacobsen,B. Niggemann,S. Drenorg,H.A. Ferdousi,S. Halken,A. Høst
Specific immunotherapy has long‐term‐preventive effect of seasonal and perennial asthma: 10‐years follow‐up on the PAT study
[74]
R. Polosa,W.K. Al-Delaimy,C. Russo,H.A. Ferdousi,S. Halken,A. Høst
Greater risk of incident asthma cases in adults with allergic rhinitis and effect of allergen immunotherapy: a retrospective cohort study
[75]
F. Purello-D’Ambrosio,S. Gangemi,R.A. Merendino,S. Isola,P. Puccinelli,S. Parmiani
Prevention of new sensitizations in monosensitized subjects submitted to specific immunotherapy or not: a retrospective study
Clin Exp Allergy, 31 (2001), pp. 1295-1302
[76]
A. Inal,D.U. Altinatas,M. Yilmaz,S. Isola,P. Puccinelli,S. Parmiani
Prevention of new sensitizations by specific immunotherapy in children with rhinitis and/or asthma monosensitized to house dust mite
J Investig Allergol Clin Immunol, 17 (2007), pp. 85-91
[77]
G.B. Pajno,G. Barberio,F. De Luca,S. Isola,P. Puccinelli,S. Parmiani
Prevention of new sensitizations in asthmatic children monosensitized to house dust mite by specific immunotherapy. A six‐year follow‐up study
Clin Exp Allergy, 31 (2001), pp. 1392-1397
[78]
L. Cox,L. Jacobsen
Comparison of allergen immunotherapy practice patterns in the United States and Europe
Ann Allergy Asthma Immunol, 103 (2009), pp. 451-459 http://dx.doi.org/10.1016/S1081-1206(10)60259-1
[79]
C. Pitsios,P. Demoly,M.B. Bilò,R. Gerth van Wijk,O. Pfaar,G.J. Sturm
Clinical contraindications to allergen immunotherapy: an EAACI position paper
Allergy, 70 (2015), pp. 897-909 http://dx.doi.org/10.1111/all.12638
[80]
K.E. Hermelingmeier,R.K. Weber,M. Hellmich,C.P. Heubach,R. Mösges
Nasal irrigation as an adjunctive treatment in allergic rhinitis: a systematic review and meta‐analysis
Am J Rhinol Allergy, 26 (2012), pp. e119-e125 http://dx.doi.org/10.2500/ajra.2012.26.3787
[81]
O. Boyman,C. Kaegi,M. Akdis,S. Bavbek,A. Bossios,A. Chatzipetrou
EAACI IG biologicals task force paper on the use of biologic agents in allergic disorders
Allergy, 70 (2015), pp. 727-754 http://dx.doi.org/10.1111/all.12616
[82]
J. Lotvall,C.A. Akdis,L.B. Bacharier,L. Bjermer,T.B. Casale,A. Custovic
Asthma endotypes: a new approach to classification of disease entities within the asthma syndrome
J Allergy Clin Immunol, 127 (2011), pp. 355-360 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2010.11.037
[83]
S. Tsabouri,X. Tseretopoulou,K. Priftis,E. Ntzani
Omalizumab for the treatment of inadequately controlled allergic rhinitis: a systematic review and meta‐analysis of randomized clinical trials
J Allergy Clin Immunol Pract, 2 (2014), pp. 332-340 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaip.2014.02.001
[84]
S. Ogino,T. Nagakura,K. Okubo,N. Sato,M. Takahashi,T. Ishikawa
Re‐treatment with omalizumab at one year interval for Japanese cedar pollen‐induced seasonal allergic rhinitis is effective and well tolerated
Int Arch Allergy Immunol, 149 (2009), pp. 239-245 http://dx.doi.org/10.1159/000199719
[85]
T.B. Casale,W.W. Busse,J.N. Kline,Z.K. Ballas,M.H. Moss,R.G. Townley
Omalizumab pretreatment decreases acute reactions after rush immunotherapy for ragweed‐induced seasonal allergic rhinitis
J Allergy Clin Immunol, 117 (2006), pp. 134-140 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2005.09.036
[86]
M.V. Kopp,E. Hamelmann,S. Zielen,W. Kamin,K.C. Bergmann,C. Sieder
Combination of omalizumab and specific immunotherapy is superior to immunotherapy in patients with seasonal allergic rhinoconjunctivitis and co‐morbid seasonal allergic asthma
Clin Exp Allergy, 39 (2009), pp. 271-279 http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2222.2008.03121.x
[87]
J. Kuehr,J. Brauburger,S. Zielen,U. Schauer,W. Kamin,A. Von Berg
Efficacy of combination treatment with anti‐IgE plus specific immunotherapy in polysensitized children and adolescents with seasonal allergic rhinitis
J Allergy Clin Immunol, 109 (2002), pp. 274-280
[88]
R.C. Kern
Biologics and the treatment of chronic rhinosinusitis
J Allergy Clin Immunol, 131 (2013), pp. 117-118 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2012.11.021
[89]
C. Bachert,L. Zhang,P. Gevaert
Current and future treatment options for adult chronic rhinosinusitis: focus on nasal polyposis
J Allergy Clin Immunol, 136 (2015), pp. 1431-1440 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2015.10.010
[90]
J. Bousquet,H.J. Schunemann,J. Fonseca,B. Samolinski,C. Bachert,G.W. Canonica
MACVIA‐ARIA Sentinel NetworK for allergic rhinitis (MASK‐rhinitis): the new generation guideline implementation
Allergy, 70 (2015), pp. 1372-1392 http://dx.doi.org/10.1111/all.12686
[91]
R. Van Wijk
Rhinitis control: the next step
Clin Exp Allergy, 41 (2011), pp. 773-774 http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2222.2011.03758.x
[92]
A. Del Cuvillo,V. Santos,J. Montoro,J. Bartra,I. Davilla,M. Ferrer
Allergic rhinitis severity can be assessed using a visual analogue scale in mild, moderate and severe
Rhinology, 55 (2017), pp. 34-38 http://dx.doi.org/10.4193/Rhin16.025
[93]
L. Klimek,K. Bergmann,T. Biedermann,J. Bousquet,P. Hellings,K. Jung
Visual analogue scales (VAS): measuring instruments for the documentation of symptoms and therapy monitoring in cases of allergic rhinitis in everyday health care – position paper of the German Society of Allergology
Allergol J Int, 26 (2017), pp. 16-24
[94]
E. Meltzer,M. Schatz,R. Nathan,C. Garris,R. Stanford,M. Kosinnski
Reliability, validity, and responsiveness of the rhinitis control assessment test in patients with rhinitis
J Allergy Clin Immunol, 131 (2013), pp. 379-386 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2012.10.022
[95]
P. Fernandes,F. Matsumoto,D. Solé,G. Wandalsen
Translation into Portuguese and validation of the Rhinitis Control Assessment Test (RCAT) questionnaire
Braz J Otorhinolaryngol, 82 (2016), pp. 674-679 http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2015.12.011
[96]
M. Boulay,L. Boulet
The rhinitis control scoring system: development and validation
Am J Rhinol Allergy, 30 (2016), pp. 54-59 http://dx.doi.org/10.2500/ajra.2016.30.4260
[97]
P. Demoly,R. Jankowski,O. Chassany,Y. Bessah,F. Allaert
Validation of a self‐questionnaire for assessing the control of allergic rhinitis
Clin Exp Allergy, 41 (2011), pp. 860-868 http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2222.2011.03734.x
[98]
J. Fonseca,L. Nogueira-Silva,M. Morais-Almeida,L. Azevedo,A. Sá-Sousa,M. Branco-Ferreira
Validation of a questionnaire (CARAT10) to assess rhinitis and asthma in patients with asthma
[99]
D. Linhares,J. da Fonseca,L. Borrego,A. Matos,A. Pereira,A. Sá-Sousa
Validation of control of allergic rhinitis and asthma test for children (CARATkids) – a prospective multicenter study
Pediatr Allergy Immunol, 25 (2014), pp. 173-179 http://dx.doi.org/10.1111/pai.12218
[100]
N. Chhabra,S.M. Houser
The surgical management of allergic rhinitis
Otolaryngol Clin N Am, 44 (2011), pp. 779-795

Como citar este artigo: Sakano E, Sarinho ES, Cruz AA, Pastorino AC, Tamashiro E, Kuschnir F, et al. IV Brazilian Consensus on Rhinitis – an update on allergic rhinitis. Braz J Otorhinolaryngol. 2018;84:3–14.

Documento de posição conjunta da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Crânio‐Facial e da Sociedade Brasileira de Pediatria.

A revisão por pares é da responsabilidade da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico‐Facial.

Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Inscreva-se a Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
Política de cookies
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aquí.