Compartilhar
Informação da revista
Vol. 84. Núm. 4.Julho - Agosto 2018
Páginas 401-528
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
894
Vol. 84. Núm. 4.Julho - Agosto 2018
Páginas 401-528
Artigo de Revisão
DOI: 10.1016/j.bjorlp.2018.01.024
Open Access
Degree of tinnitus improvement with stapes surgery – a review
Grau de melhora do zumbido com estapedectomia – uma revisão
Visitas
894
Aliciane Mota G. Cavalcantea, Isabella Monteiro de Castro Silvaa, Bianca Jessica Nevesa, Carlos Augusto Oliveirab, Fayez Bahmad Jra,c,d,
Autor para correspondência
fayezbjr@gmail.com

Autor para correspondência.
a Universidade de Brasília (UnB), Ciências Médicas, Brasília, DF, Brasil
b Universidade de Brasília (UnB), Escola de Pós‐Graduação, Brasília, DF, Brasil
c Harvard Medical School, Otology and Neurotology, Boston, Estados Unidos
d Universidade de Brasília (UnB), Faculdade de Ciências da Saúde, Brasília, DF, Brasil
Este item recebeu
894
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (1)
Tabelas (1)
Tabela 1. Artigos, tipo de escalas, tempo de avaliação no pós‐operatório e resultados
Abstract
Introduction

Otospongiosis is temporal bone osteodystrophy, characterized by disordered bone resorption and neoformation in genetically predisposed individuals. Clinically, otospongiosis is characterized by progressive conductive and/or mixed hearing loss and by tinnitus.

Objective

A review of the last two decades of publications that report the degree of tinnitus improvement with stapes surgery.

Methods

125 articles published in the last 20 years mentioning the relationship between otosclerosis and tinnitus. Literature has always shown that the hearing improvement after stapes surgery was the main result sought and found. However, recent articles has reinforced the need for surgery for the tinnitus improvement. The ideal time to assess tinnitus through different scales is in the sixth month post‐operative. The estimated average hearing improvement is 93% and tinnitus is 85.52%.

Results

Summaries of 12 articles were reviewed which fulfilled the search criteria of the survey, and 8 studies were included in the study according the selection criteria. This studies investigating the degree of tinnitus improvement with stapes surgery, using different scales as: tinnitus functional index, visual analog scale, tinnitus functional index and visual analog scale, visual analog scale and “questionnaire asking about tinnitus”, Newman's method and Tinnitus Score Advocated by the Japan Audiological Society. The total of the samples of the evaluated articles was of 254 participants.

Conclusion

We conclude that stapes surgery is effective for the treatment of tinnitus (average improvement is 85.52%), and hearing loss (average improvement is 93%). When deciding about the surgical indication in patients with otosclerosis, the presence and level tinnitus should be considered as well as the level of hearing.

Keywords:
Otosclerosis
Tinnitus
Stapes surgery
Resumo
Introdução

A otosclerose é uma osteodistrofia do osso temporal, caracterizada pela reabsorção e neoformação óssea desordenadas em indivíduos geneticamente predispostos. Clinicamente, a otosclerose é caracterizada por perda auditiva progressiva condutiva e/ou mista e por zumbido.

Objetivo

Uma revisão das últimas duas décadas de publicações que relatam o grau de melhora do zumbido com a estapedectomia.

Método

Foram analisados 125 artigos publicados nos últimos 20 anos que mencionavam a relação entre otosclerose e zumbido. A literatura sempre mostrou a melhoria auditiva como principal objetivo e resultado da estapedectomia. No entanto, artigos recentes reforçaram a necessidade de cirurgia para a melhoria do zumbido. O momento ideal para avaliar o zumbido através de diferentes escalas é no sexto mês pós‐operatório. A melhoria auditiva média estimada é de 93% e a do zumbido, de 85,52%.

Resultados

Foram revisados resumos de 12 artigos que preencheram os critérios de pesquisa, foram incluídos no estudo 8 artigos de acordo com os critérios de seleção. Este estudo investiga o grau de melhora do zumbido com a estapedectomia, utilizando diferentes escalas: tinnitus functional index, escala visual analógica, tinnitus functional index e escala visual analógica, escala visual analógica e “questionário sobre o zumbido”, método de Newman e o Tinnitus Score Advocated, da Sociedade Audiológica do Japão (Japan Audiological Society). O total das amostras dos artigos avaliados foi de 254 participantes.

Conclusão

Concluímos que a estapedectomia é bastante eficaz no tratamento do zumbido (melhoria média de 85,52%) e perda auditiva (melhoria média de 93%). Ao decidir sobre a indicação cirúrgica em pacientes com otosclerose, a presença e o nível de zumbido devem ser considerados, assim como o nível de audição.

Palavras‐chave:
Otosclerose
Zumbido
Estapedectomia
Texto Completo
Introdução

A otosclerose é uma osteodistrofia do osso temporal, caracterizada por reabsorção e neoformação óssea desordenadas em indivíduos geneticamente predispostos. Toda a cápsula óptica pode estar envolvida, embora a área próxima da fissula ante fenestram (anterior à janela oval) seja o local mais comumente afetado.

Clinicamente, a otosclerose é caracterizada por perda auditiva progressiva condutiva e/ou mista e por zumbido. Eventualmente, perda auditiva neurossensorial, plenitude auditiva e vertigem podem ocorrer.

O zumbido é uma sensação de som anormal que alguns pacientes com perda auditiva experimentam. Pacientes com otosclerose podem apresentar graus variáveis ??de zumbido associados à perda auditiva. Gristwood et al.1 relataram, com base em uma revisão de 1.014 casos consecutivos de otosclerose clínica, que 65% dos pacientes com perda auditiva devido à otosclerose tinham zumbido.

Subsequentemente, Deuyer et al. relataram que a prevalência de zumbido é estimada em 65% a 85%.2 Estudos anteriores indicaram que o zumbido diminui com a melhoria da audição após a estapedectomia.2 Vários estudos têm relatado a alta prevalência de zumbido e o grau de desconforto em pacientes com otosclerose e a melhoria após a cirurgia. No entanto, somente alguns estudos descreveram o prazo da melhoria ou quantificaram a melhoria do zumbido com o uso de um instrumento de avaliação de zumbido validado de forma prospectiva. O objetivo desta revisão sistemática foi avaliar o resultado das publicações que relataram o grau de melhoria do zumbido com a estapedectomia, com ênfase no tipo de método usado e no período de avaliação.

Método

As pesquisas foram feitas nas bases de dados PubMed, com os descritores extraídos do Medical Subject Headings (MeSH) que caracterizaram o assunto: otosclerosis AND stapes surgery OR stapedotomy AND tinnitus.

Os critérios de inclusão dos estudos foram: artigos na língua inglesa; publicados nos últimos 20 anos; estudos prospectivos e estudos clínicos em adultos com ênfase na otosclerose, estapedectomia e escalas para medir o grau de melhoria do zumbido. Estudos retrospectivos foram excluídos.

Resultados

Foram revisados resumos de 12 artigos que preencheram os critérios de inclusão da pesquisa e oito artigos foram incluídos no estudo de acordo com os critérios de inclusão. A figura 1 mostra o diagrama PRISMA de fluxo para inclusão.

Figura 1.
(0,3MB).

Diagrama PRISMA mostrando a seleção e o tipo de escala utilizados na revisão.

Características dos estudos

Esta revisão encontrou oito estudos que investigaram o grau de melhoria do zumbido com a estapedectomia, com o uso de diferentes escalas. As estapedectomias foram estapedectomia e estapedotomia. Os artigos usaram diferentes escalas: Tinnitus Functional Index‐TFI, Escala Visual Analógica‐EVA, TFI e EVA, EVA e “questionário sobre o zumbido”, método de Newman e Tinnitus Score Advocated, da Sociedade Audiológica do Japão (Japan Audiological Society).

No primeiro mês de avaliação pós‐operatória, os resultados variaram entre 75% e 88% de melhoria no zumbido. No sexto mês, entre 85% e 88,3%.

Sakai et al. não mencionaram o período de avaliação. Neste artigo, o grau de melhoria foi de 68%.

Sanchez et al. informaram que a melhoria em torno do terceiro mês foi de 95,7%, esse foi o período de maior grau de melhoria observado entre todos os artigos.

Em estudos nos quais a avaliação foi feita entre quatro e 10 meses; quatro e 14 meses e 14 e 48 meses, o grau de melhoria do zumbido variou de 90 a 91%.

O total das amostras dos artigos avaliados foi de 254 participantes (tabela 1).

Tabela 1.

Artigos, tipo de escalas, tempo de avaliação no pós‐operatório e resultados

Título  Autor/ano de publicação  Tipo de escala  Tamanho da amostra  Tempo de avaliação no pós‐operatório  Grau de melhoria do zumbido 
Stapedectomy effects on tinnitus: relationship of change in loudness to change in severity2  Dewyer et al., 2015  TFI e EVA
 
35
 
1 e 6 meses  1 mês‐75%
6 meses‐88% 
Tinnitus modulation by stapedectomy3  Chang et al., 2014  TFI  16  1 e 6 meses  1 mês‐88%
6 meses‐85% 
Characteristics and postoperative course of tinnitus in otosclerosis4  Ayache et al., Earally, Elbaz, 2003  TFI  62  1 e 6 meses  1 mês‐83,4%
6 meses‐88,3% 
Outcome of stapes surgery for tinnitus recovery in otosclerosis5  Rajati, Poursadeg, Bakhshaee, Abbasi, Shahab, 2012  Método de Newman  29  1 mês  82,8% 
The effect of stapedotomy on tinnitus in patients with otospongiosis6  Sanchez, Bento, Lima, Marcondes, 2005  EVA  23  3 meses  95,7% 
Long‐term follow‐up of tinnitus in patients with otosclerosis after stapes surgery7  Sobrinho, Oliveira, Venosa, 2004  Questionnaire asking about tinnitus, EVA  48  4 a 14 meses;14 a 48 meses  4 a 14 meses‐91%;
14 a 48 meses‐91% 
How does stapes surgery influence severe disabling tinnitus in otosclerosis patients?8  Oliveira CA; 2007  EVA  19
 
4 a 10 meses  4 a 10 meses‐90% 
The effect on tinnitus of stapes surgery for otosclerosis9  Sakai, Sato, Iida, Ogata, Ishida, 1995  Tinnitus score advocated by the Japan Audiological Society  22  Não mencionado  68% 
Discussão

Embora o zumbido esteja frequentemente relacionado à otosclerose, ele tem sido pouco discutido na literatura. No entanto, ele representa uma grande fonte de desconforto para alguns pacientes, os quais são com frequência inquisitivos sobre o curso desse sintoma.2

Não foi observado zumbido pós‐operatório em pacientes que não apresentavam zumbido pré‐operatório, mas esse fator não parece ser estatisticamente significante como indicador preditivo do curso do zumbido. Esse achado também foi observado por Kersley e Gray,10 mas Del Bo et al.11 mencionaram que o zumbido ocorreu tardiamente após a cirurgia, em 7% dos pacientes que não apresentavam zumbido no período pós‐operatório imediato.

Shea12 e Causse e Vincent13 tentaram correlacionar o tom do zumbido pré‐operatório em pacientes com otosclerose e a diminuição desse sintoma após a estapedectomia. Ambos declararam que apenas o zumbido em tom grave é afetado pela estapedectomia. Causse e Vincent indicaram que esse tipo de zumbido está relacionado à elasticidade do mecanismo da janela oval, que é corrigida pela estapedectomia.

Em um estudo do osso temporal em busca de uma correlação histopatológica para o zumbido, Oliveira e Schuknecht14 encontraram hidropsia endolinfática em 18% dos ossos estudados, histopatologia normal em 11% e otosclerose em 11%. Esses foram os principais diagnósticos histopatológicos encontrados em pacientes com zumbido. Se considerarmos que o zumbido começa com uma alteração bioquímica nos fluidos da orelha interna, a qual no início não é detectável por microscopia óptica, mas subsequentemente será vista como hidropsia endolinfática, e que os focos otoscleróticos na cóclea provocam essas alterações bioquímicas na endolinfa e perilinfa, esses principais diagnósticos histopatológicos encontrados nos ossos temporais de pacientes com zumbido estão intimamente ligados. Se a explicação acima for verdadeira, a única maneira pela qual a estapedectomia pode influenciar o zumbido em pacientes com otosclerose é alterando a parte condutora da equação.

Novamente, Oliveira e Schuknecht14 encontraram uma melhor preservação das estruturas sensoriais e neurais em pacientes com zumbido do que em pacientes com o mesmo diagnóstico histopatológico, mas sem zumbido. Possivelmente, o zumbido é um sinal muito precoce de lesão coclear e tende a diminuir à medida que a lesão piora. É claro que as ideias apresentadas nos parágrafos anteriores estão longe de ser comprovadas, mas acreditamos que elas compõem uma hipótese interessante a ser investigada.

Conclusão

Esta revisão sistemática de 254 casos de otosclerose mostrou, através de diferentes escalas e em diferentes momentos, que a estapedectomia foi de grande valor na melhoria do zumbido, observada em 85,52% dos pacientes com zumbido pré‐operatório.

A indicação primária para a estapedectomia é a melhoria da audição.4

Portanto, ao decidir sobre a indicação cirúrgica em pacientes com otosclerose, a presença e o nível do zumbido devem ser considerados, bem como o nível de audição, já que concluímos que a estapedectomia também pode aliviar o zumbido na maioria dos pacientes com otosclerose.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
R.E. Gristwood, W.N. Venables
Otosclerosis and chronic tinnitus
Ann Otol Rhinol Laryngol, 112 (2003), pp. 398-403 http://dx.doi.org/10.1177/000348940311200502
[2]
N.A. Dewyer, R. Kiringoda, Y.A. Kram, J.L. Chang, C.Y.J. Chang, S.W. Cheung
Stapedectomy effects on tinnitus: relationship of change in loudness to change in severity
Otolaryngol Head Neck Surg, 153 (2015), pp. 1019-1023 http://dx.doi.org/10.1177/0194599815591532
[3]
C.J. Chang, S.W. Cheung
Tinnitus modulation by stapedectomy
Otol Neurotol, 35 (2014), pp. 1065-1069 http://dx.doi.org/10.1097/MAO.0000000000000370
[4]
D. Ayache, F. Earally, P. Elbaz
Characteristics and postoperative course of tinnitus in otosclerosis
Otol Neurotol, 24 (2003), pp. 48-51
[5]
M. Rajati, M. Poursadegh, M. Bakhshaee, A. Abbasi, A. Shahabi
Outcome of stapes surgery for tinnitus recovery in otosclerosis
Int Tinnitus J, 17 (2012), pp. 42-46
[6]
S. Lima Ada, T.G. Sanchez, R. Marcondes, R.F. Bento
The effect of stapedotomy on tinnitus in patients with otospongiosis
Ear Nose Throat J, 84 (2005), pp. 412-414
[7]
P.G. Sobrinho, C.A. Oliveira, A.R. Venosa
Long‐term follow‐up of tinnitus in patients with otosclerosis after stapes surgery
Int Tinnitus J, 10 (2004), pp. 197-201
[8]
C.A. Oliveira
How does stapes surgery influence severe disabling tinnitus in otosclerosis patients?
Adv Otorhinolaryngol, 65 (2007), pp. 343-347 http://dx.doi.org/10.1159/000098858
[9]
M. Sakai, M. Sato, M. Iida, T. Ogata, K. Ishida
The effect on tinnitus of stapes surgery for otosclerosis
Rev Laryngol Otol Rhinol (Bord), 116 (1995), pp. 27-30
[10]
J.A. Kersley, A.J. Gray
Stapedectomy: a review with a preliminary report on the piston operation
J Laryngol Otol, 78 (1964), pp. 374-383
[11]
M. Del Bo, A. Zaghis, U. Ambrosetti
Some observations concerning 200 stapedectomies: fifteen years postoperatively
[12]
J.J. Shea
Otosclerosis and tinnitus
J Laryngol, 0101 (1981), pp. 149-150
[13]
I.B. Causse, R. Vincent
Poor vibration of inner ear fluids as a cause of low tone tinnitus
Am J Otol, 16 (1995), pp. 701-702
[14]
C.A. Oliveira, H.F. Schuknecht, R.J. Glynn
In search of cochlear morphologic correlates for tinnitus
Arch Otolaryngol Head Neck Surg, 116 (1990), pp. 937-939

Como citar este artigo: Cavalcante AM, Silva IM, Neves BJ, Oliveira CA, Bahmad F Jr. Degree of tinnitus improvement with stapes surgery – a review. Braz J Otorhinolaryngol. 2018;84:514–8.

A revisão por pares é da responsabilidade da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico‐Facial.

Copyright © 2017. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.